domingo, 2 de dezembro de 2012

Carlito Melo e o Caboclo Geremias



Mitos do Rádio
Por José Matos

Eu era garoto quando as ondas do rádio começaram a me fascinar. Na época, o receptor de rádio era para as pessoas mais abastadas, nem todas as casas tinham aquele aparelho mágico, em que se ouvia programas musicais , show de calouros, reclames (propaganda) e as vozes dos locutores. Cada um com o seu timbre, e todo o `cast` tinha uma direção artística que obedecia ao padrão do rádio da época.

Deixava-me curioso as casas que possuíam rádio, o aparelho quando não estava em uso, era coberto com uma capa de pano branco, e em cima, o retrato do casal - dono da casa, quando não, da sagrada família: Jesus, Maria e José ou o retrato de um homem louro, cabelos compridos, olhos azuis com o coração fora do peito. Uma certa feita, perguntei a minha mãe curioso quem era ele, porque eu o via em mais de uma casa. Ela me respondeu que era o coração de Jesus. Naquela época maioria da população era católica.

Retornando às ondas do rádio, lá em casa, quando compramos um aparelho de rádio de segunda mão, de caixa plástica, vez por outra, ficava rouco e tinha que tomar alguns tapinhas para limpar a voz. Cedo, acordava com o rádio ligado e ouvia o programa do "Caboclo Jeremias" apresentado pelo saudoso Carlito Melo. Não sei bem se na PRJ6 Rádio Difusora ou se na ZYM21 Rádio Jornal ou na Rádio Liberdade a ZYM20 ( todas mudaram de prefixo e endereço).

O que imaginava naquela época eram duas pessoas que apresentavam o programa o locutor Carlito Melo, e o Cabloclo Jeremias que vinha da roça, para apresentar o programa juntos. Longe de pensar que era a mesma pessoa. Em outro horário, lembro-me de que Carlito Melo apresentava o programa `Carrossel da Alegria` e falava no ritmo dos narradores de corrida de cavalos do jóquei. Era um disc jockey de primeira linha, não conheci ninguém melhor. Era uma voz rápida, porém cadenciada. Recheada de um timbre vocal privilegiado. quero afirmar isso, com a permissão dos grandes disc jockeis do rádio sergipano que foram muitos.

Voltando a nossa atenção para o Caboclo Jeremias, ele tinha a voz do homem do campo pouco cansada com a sabedoria de um homem maduro contador de `causos`, crítico das coisas da capital, do sertão tão sofrido, que na sua ótica de homem vivido algumas coisas estavam distorcidas. Sua crônica matuta era diária, recheada de humor que se traduzia para uma sabedoria ímpar. Conversava com o Carlito, respondia a suas perguntas e em momento algum havia erro sonoplástico, ou displicência técnica vocal a ponto de denuciar que ele e o Carlito Melo eram uma só pessoa .

Lamento não dispor de mais informações para passar aos leitores, a respeito desse artista do rádio Sergipano, que por muito tempo ensinou, divertiu e formou opinião no rádio de Sergipe. Na minha lembrança, o Carlito dizia diante dos microfones da emissora que o caboclo Jeremias era o "Eterno viajante do pensamento". Inesquecível para os ouvintes de ontem.

Reproduzido do site: ultimahoranews.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário